segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Novo Site! Novo Blog!

Olá, Queridas seguidoras!!

Este blog já está algum tempo sem atualizações, isso aconteceu devido a reformulação do Espaço Materna!

Agora o Espaço Materna está de cara nova....novo blog! E ainda temos como novidade um Site e um Brechó!!

Confiram!

Fan Page Facebook: https://www.facebook.com/espacomaternacampinas

Site: http://www.espacomaterna.com.br/

Dentro do site vocês encontrarão o link para o Blog e o Brechó!

Participem!

beijos




[...]

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Leite materno humano bloqueia transmissão do HIV

Um experimento realizado na Universidade da Carolina do Norte mostrou que, em ratos "humanizados", o leite materno humano impede a transmissão oral do vírus HIV, informa a revista "Public Library of Science Pathogens".


"Primeiro, entre os ratos reconstituídos para se tornassem suscetíveis a doenças humanas como a Aids e que foram expostos ao vírus HIV, 100% foram infectados", disse à Agência Efe o autor principal do estudo, J. Víctor García, graduado em 1979 pelo Instituto Tecnológico e de Estudos Superiores de Monterrey (México).

Já quando os cientistas administraram HIV misturado com leite materno humano saudável, 100% ficaram livres da infecção, destacou o pesquisador.

As estatísticas indicam que mais de 15% das novas infecções com o vírus HIV ocorrem em bebês e, sem tratamento, apenas 65% deles sobrevive mais de um ano, enquanto menos da metade chega aos dois anos de vida.

O artigo indica que, embora se atribua ao aleitamento um número significativo dessas infecções, a maioria dos bebês amamentados pelas mães soropositivas não tem a infecção, apesar da exposição prolongada e repetida.

Para resolver a questão sobre se o aleitamento transmite o vírus ou protege contra ele, os cientistas da Escola de Medicina da UNC recorreram a um modelo de rato "humanizado" em laboratório.

"Os ratos são, por essência, resistentes à maioria das doenças que afetam os humanos", ressaltou García. "Para usá-los neste tipo de estudos, é preciso torná-los parcialmente humanos".

"Estes ratos são trabalhados um por um, introduzindo-lhes células-tronco da medula óssea humana às seis semanas de idade", acrescentou o pesquisador. "As células humanas vão a todos os órgãos e áreas similares dos humanos como boca, esôfago, pulmões, intestino, fígado e sistemas reprodutivos que se enchem de células humanas".

O HIV infecta somente os chimpanzés e os humanos, mas só deixa os humanos doentes. Com a reconfiguração de células humanas, os ratos tornam-se suscetíveis à infecção com o HIV.

Em seguida, a equipe de García, que trabalhou com mais de 50 ratos "humanizados", administrou em alguns deles o leite de mães saudáveis misturado com HIV, e a outros apenas o HIV, em ambos os casos por via oral. "Os ratos sensíveis à infecção e que receberam só o vírus adoeceram. Já os que receberam o vírus com leite materno não adoeceram".

"A próxima etapa do estudo é determinar se o leite de mães infectadas tem o mesmo efeito", anunciou o cientista. Mas, segundo ele, o que já foi estabelecido pela primeira parte do estudo dá novas pistas sobre o isolamento de produtos naturais que poderiam ser usados para combater o vírus.


Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,leite-materno-humano-bloqueia-transmissao-do-hiv,886725,0.htm
[...]

domingo, 17 de junho de 2012

"Marcha pelo Parto em Casa" acontece hoje pelo país; conselho vai abrir sindicância contra médico que defendeu a prática na TV

Débora Melo

Do UOL, em São Paulo

Mulheres de ao menos 11 cidades, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, vão às ruas neste domingo (17) para protestar pelo direito de grávidas decidirem se querem ter seus filhos em casa ou no hospital.



A “Marcha pelo Parto em Casa” foi organizada  as redes sociais após o Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro) pedir à entidade paulista, o Cremesp, a punição do obstetra Jorge Francisco Kuhn, que defendeu o direito de mulheres saudáveis optarem pelo parto domiciliar.
Em entrevista no último dia 10 ao “Fantástico”, da TV Globo, Kuhn afirma que o parto “não é um procedimento cirúrgico”, mas “um ato natural”, e que mulheres sem problemas clínicos ou obstétricos podem optar pelo parto em casa. Não há proibição, mas o Conselho Federal de Medicina recomenda que, por segurança, os partos sejam feitos apenas nos hospitais.
O Cremesp informou que ainda não recebeu oficialmente a denúncia contra o obstetra, mas que uma sindicância será aberta quando o documento chegar. “Um médico não pode ser punido sem que seja aberta uma sindicância. A entrevista será analisada, ele será ouvido, e o conselho vai julgar o caso, que poderá ser arquivado ou gerar um processo”, disse a obstetra Silvana Morandini, conselheira do Cremesp. O médico Jorge Francisco Kuhn não foi localizado para comentar.
As organizadoras da marcha afirmam que não defendem o parto em casa, mas o “parto humanizado” e o direito de escolha da mulher. “O objetivo da marcha é trazer visibilidade para a questão, que está em um terreno sombrio da legislação. Os planos de saúde, por exemplo, não cobrem o parto em casa”, disse Ana Cristina, que trabalha tanto em partos domiciliares como hospitalares.Silvana afirma que o parto em casa não é recomendado pelo conselho, mas que os médicos têm autonomia e devem se responsabilizar por qualquer problema que ocorra durante o procedimento. “O parto tem uma condição inerente de risco, mesmo no caso de uma gravidez saudável, porque não dá para prever o que pode acontecer”, disse.
Fundadora do movimento Parto do Princípio - Mulheres em Rede pela Maternidade Ativa, a analista de sistemas Ingrid Lotfi, 34, que organiza a marcha no Rio, afirma que o debate deve se basear em estudos e dados científicos. “Estudos de todo o mundo mostram que os riscos de ter um bebê em casa ou no hospital são similares. Os números batem.”
Ingrid diz que é importante ressaltar que, para a realização do parto domiciliar, a mulher precisa estar em perfeitas condições de saúde. “O parto em casa muitas vezes está associado a irresponsabilidade, mas a mulher só pode fazer essa opção se tiver uma gravidez saudável. Por isso um bom pré-natal, em dia, é tão importante. É ele que vai dizer quem pode e quem não pode fazer essa opção. Também é preciso parteiras treinadas e um esquema de transporte disponível.”

Cidades que receberão a marcha*:

São Paulo (SP)
Concentração: parque Mário Covas (av. Paulista, 1853), 14h

Campinas (SP)
Concentração: praça do Côco /Barão Geraldo, 14h


Sorocaba (SP)

Concentração: parque Campolim, 10h



Ilhabela (SP)

Concentração: praça da Mangueira, 11h

Rio de Janeiro (RJ)
Concentração: praia de Botafogo, altura do IBOL, 10h


Brasília (DF)

Concentração: próximo ao quiosque do atleta, no Parque da Cidade, 9h30

Recife (PE)
Concentração: Conselheiro Portela, 203, Espinheiro, 15h
Fortaleza (CE)
Concentração: Aterro da Praia de Iracema, 17h


Salvador (BA)

Concentração: Cristo da Barra, 11h

Florianópolis (SC)
Concentração: praça da Lagoa da Conceição, 15h


Porto Alegre (RS)

Concentração: Monumento ao Expedicionário do parque Farroupilha (Redenção), 15h

*outras cidades podem aderir
Acessem o link e participem da votação!
[...]

Obstetriz relata por que há tantas cesarianas no Brasil

Ótima reportagem da Obstetriz e Doula Ana Cristina Duarte!

[...]

sábado, 16 de junho de 2012

Marcha do Parto em Casa - Amanhã!!!!

Participem! Divulguem!!




[...]

Matéria do Fantástico Parto humanizado domiciliar divide profissionais da área de saúde

Parto humanizado domiciliar divide profissionais da área de saúde


Um vídeo está fazendo o maior sucesso na internet. É a filmagem de um parto em casa, sem anestesia e com a ajuda de uma equipe de profissionais de saúde. As imagens dividem os especialistas: é seguro ter um bebê fora do hospital? 




O vídeo mostra 14 minutos de um parto que durou nove horas. Em dois meses, já foi visto por 2,5 milhões de pessoas. Embaladas pela música de Maria Bethânia. 

A mãe, Sabrina, é sanitarista e terapeuta ocupacional. Ela escolheu fazer em casa o parto do primeiro filho, Lucas. Foi em novembro do ano passado, em Campinas, São Paulo. O pai, Fernando, participou de tudo. 

“Eu me lembro que quando o Fernando me beijava e me abraçava, parece que as contrações tomavam outro caminho”, diz Sabrina Ferigato.

A equipe de apoio tinha uma parteira, uma pediatra e duas doulas. A função de uma doula é dar apoio emocional à gestante. 

“O parto humanizado é uma forma de assistência ao casal, em que a mulher é a protagonista do próprio processo. Ela decide o lugar de parir, ela decide a posição que quer parir”, diz Lara Gordon, doula e responsável pelo grupo de parto humanizado Samaúma. 

A equipe pertence a um grupo que fez mais de 200 partos assim. A parteira foi uma obstetriz, com formação apenas em obstetrícia, sem a graduação anterior em enfermagem ou medicina. 

“Aonde o bebê vai nascer vai depender porque o trabalho de parto é longo, então a gente vai no chuveiro, vai na banheira, vai na cama, vai deitar, vai descansar, vai pra sala, vai comer e quando o bebê está mais perto de nascer a gente vai ficando em um canto e armando um canto”, diz a obstetriz Ana Cristina. 

O nome é parto humanizado domiciliar. E é claro que ninguém discute a ideia trazida pela palavra "humanizado". A polêmica está na palavra “domiciliar”. 

O Conselho Federal de Enfermagem diz que o enfermeiro obstetra pode fazer o parto em uma casa, desde que o ambiente apresente condições míninas de higiene. Já o Conselho Federal de Medicina recomenda aos médicos que realizem os partos em ambiente hospitalar. Lembra que em caso de complicações, há mais estrutura para o atendimento. E alerta que, nas emergências, o tempo perdido da casa até o hospital pode ser decisivo para a vida de mãe e filho. 

As Associações Brasileiras de Ginecologia e Obstetrícia também são contra o parto em casa. 

“O médico não está proibido de realizar o parto domiciliar, mas ele tem que estar ciente dos riscos que esse procedimento envolve e também estar ciente de que ele pode ser punido pelo Conselho Federal de Medicina, caso ocorra algum tipo de insucesso”, diz Vera Fonseca, diretora da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 

“Não é um procedimento cirúrgico. Parto não é um ato cirúrgico. O parto é um ato natural”, opina Jorge Kuhn. O coordenador do Departamento de Obstetrícia da Universidade Federal de São Paulo defende o parto em casa. Mas avisa: ele só pode ser feito quando a gravidez é de baixíssimo risco. 

“Aquelas que não apresentam nenhuma intercorrência, quer clinica, quer obstétrica, portanto: pressão alta, diabetes, pré-eclampsia, qualquer circunstância que possa aumentar o risco para essa mãe ou para esse bebê”, informa Jorge Khun. 

Essa, então, é a condição fundamental para a mãe que quer fazer o parto em casa: a gestação tem que ser perfeita. Qualquer probleminha no pré-natal é motivo para que a escolha seja a de fazer o parto em um hospital. 

Três milhões de bebês nascem por ano no Brasil. 2,2 milhões, em hospitais públicos. Segundo o Ministério da Saúde, a rede do SUS pode receber as mães que querem um parto humanitário, sim, mas não domiciliar. 

“É possível, e é o que acontece no Brasil. Queremos cada vez mais, o parto hospitalar humanizado. Parto natural, com analgesia, com acompanhante. Mas pode ser, como é no Brasil, 98% dos partos são em hospitais. E é isso que o Ministério da Saúde recomenda”, diz Helvécio Magalhães, secretário do Ministério da Saúde. 

Em uma maternidade pública de Belo Horizonte, Ariádila seguiu todos os procedimentos do parto humanizado, sem pressa, sem indução das contrações. Sempre ao lado do marido. Uma hora depois, mãe, pai e filho estavam juntos. O bebê, no colo dela. Pelo tempo que os dois quiseram. 

Em Campinas, Sabrina e Fernando levantaram a discussão, se recolheram pra curtir o mais novo integrante da família, e já decidiram. Se vier um segundo filho, o irmãozinho do Lucas vai nascer em casa. 

“Foi o dia em que eu me senti mais mulher, mais linda. Por esse dia valeu a pena ter vivido”, relata Sabrina.


Assista o vídeo da matéria!
http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1680907-15605,00-PARTO+HUMANIZADO+DOMICILIAR+DIVIDE+PROFISSIONAIS+DA+AREA+DE+SAUDE.html


Fonte: fantástico 
[...]

O parto é fisiológico e não um ato médico


Médica manda e-mail ao Conselho Regional de Medicina de São Paulo e diz que acatar a denúncia do CREMERJ seria um atentado à liberdade de expressão e à própria constituição.
Artigo Científico - Realizado na Holanda que verificou a mortalidade dos bebês nascidos em parto normal domiciliar e hospitalar. http://www.nhs.uk/news/2009/04April/Pages/HomeBirthSafe.aspx


[...]

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Dor do Parto Natural

Matéria:

"Maternidade: mulheres revelam como lidaram com a “terrível” dor do parto natural"

“Em pleno século XXI, estamos vendo que parir não é um evento necessariamente doloroso”

Rosamaria Giatti Carneiro

Por Kátia Pereira

Clique aqui para ler: http://www.observatoriofeminino.com.br/?p=3744




[...]

terça-feira, 29 de maio de 2012

Vídeo - Violência Obstétrica

[...]

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Direito a acompanhante

Gestantes têm direito a acompanhante na hora do parto pelo SUS, diz MPF

O Ministério Público Federal (MPF) em São Carlos recomendou aos gestores das unidades de saúde conveniadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) em Descalvado, Ibaté, Pirassununga, Porto Ferreira, Ribeirão Bonito, Santa Cruz das Palmeiras, Santa Rita do Passa Quatro, São Carlos e Tambaú que informem às gestantes sobre o direito de um acompanhante no momento do trabalho de parto.

A recomendação foi expedida pelo procurador da República Marcos Ângelo Grimone, responsável pelo caso, pessoalmente, em reunião realizada na tarde de anteontem com os gestores de nove estabelecimentos de saúde conveniados ao SUS que mantém setor de obstetrícia e/ou maternidade.

No âmbito do inquérito civil em que o MPF em São Carlos apura o descumprimento da legislação será feita em breve uma nova reunião, prevista para julho, com os secretários municipais de saúde dos nove municípios, para recomendar as providências que as prefeituras deverão tomar para dar efetivo cumprimento à lei.

O direito de as gestantes terem um acompanhante na hora do parto é previsto pela lei 11.108/2005, que conferiu nova redação ao art. 19 da Lei 8080/90, que estabeleceu que os serviços de saúde do SUS (rede própria ou conveniada), ficam obrigados a permitir a presença, junto à parturiente, de um acompanhante durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato.

Em São Paulo, a lei estadual 13.069/2008 estipula como se dará publicidade àquele direito, que deve ser feita por meio de cartazes com os seguintes dizeres: "É direito da parturiente ter um acompanhante no momento do trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, devendo o acompanhante obedecer aos procedimentos regulamentares adotados pela unidade hospitalar".

O MPF deu prazo de 30 dias para que os gestores das unidades de saúde conveniadas ao SUS adotem as seguintes providências para atender o que prevê a lei:

I – Fixação de, ao menos, três cartazes em lugares visíveis ao público nas unidades de saúde que possuam ala de obstetrícia, ou simplesmente realizem parto, com os dizeres da lei estadual;

II – ofereçam orientação ou capacitação aos profissionais que atendem as parturientes sobre a necessidade de informar às parturientes que elas tem direito a acompanhante e estimular a prática;

III – informem às parturientes, por escrito, sobre o direito de elas estarem assistidas por pessoa, por ela indicada, no pré-parto, parto e no pós-parto; eventual recusa deverá ser explícita e explicar o motivo;

IV – que as mesmas informações devem ser impressas no Cartão da Gestante;

V – os sites dos hospitais e das secretarias de saúde também deverão reproduzir a informação.

O MPF deu prazo de 15 dias para ser informado sobre as medidas adotadas visando o cumprimento da recomendação. Caso não respondam no prazo, o MPF considerará a medida não cumprida e poderá tomar medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis.

[...]

domingo, 27 de maio de 2012

Curso de Coaching para Mulheres

Divulgando!!! Curso de Coaching para Mulheres!!
Já participei e adorei....vale muito a pena!




[...]

sábado, 26 de maio de 2012

Amamentação Prolongada

Assistam matéria da folha sobre amamentação prolongada e cama compartilhada.

[...]

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Reportagem - Parto Humanizado

Vídeo realizado em Campinas relata alto porcentual de cesáreas realizadas em Campinas.

2011
Total partos: 14.462 
Rede Particular: 6.649 - 90% de cesáreas
Rede Pública: 7.813 - 46,2% de cesáreas

[...]

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Até quando esperar.....

                       Até quando esperar o início do Trabalho de Parto? 39? 40? 41? 42 semanas?


[...]

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Circular de Cordão - Mito?

Uma dúvida freqüente das gestantes é com respeito as circulares de cordão, em especial as da região cervical ("cordão enrolado no pescoço"). As circulares de cordão umbilical estão presentes em 20-40% de todas as gestações. Trata-se de fenômeno natural que ocorre durante a gestação no qual o cordão umbilical envolve o pescoço do bebê. 

Este vídeo demonstra alguns partos e trata de desmistificar o fato que circular de cordão impede a realização do parto natural/normal. Atualmente esse fato e responsável por inúmeras cesáreas desnecessárias.


[...]

domingo, 13 de maio de 2012

Mensagem para todas as Mães

Mãe

Mãe é como árvore, já repararam ? 

É acolhedora, tranquila, segura, presa firmemente ao solo, ao mesmo que espalha as quatro ventos 
a galharia fresca, a copa verdejante.

Mãe é repouso e sossego.

Quando a gente está cansado ou triste, desiludido ou desanimado, ela nos reconforta, cobrindo-nos com a sua sombra e o farfalhar de suas folhas.

O mundo é uma floresta de mães:
Mães novas e mães velhas,
Mães magras e mães gordas, 
Mães analfabetas e mães letradas,
Mães presentes e mães ausentes,
Mães enrodilhadas de tanto sofrer,
Mães na pujança da seiva e do vigor!

Floresta enorme, bem trançadinha de mil segredos, com riachos, com lagoas, pirilampos, rouxinóis, pardais e sabiás.

Floresta de mães, trançada com os mil segredos de ternura, e do bem-querer.

A mãe quando morre é uma árvore que tomba . É uma clareira que se abre. Clareira batida de sol, de vento, de tempestade, de mil medos e temores que inquietam o coração do filho(a).

Vida de filho(a) sem mãe, é solidão e isolamento.

É saudade doída daquela árvore tão verde, tão copada, tão fresca ! 

É vida sozinha...na floresta vazia !
[...]

sábado, 12 de maio de 2012

Video - Parto Humanizado

Vídeo do Parto Humanizado - Gestante de 18 anos, primigesta, 42 semanas e 3 dias de gestação - bebê de 4,300kg - com períneo íntegro.

Assistido por Melania Amorim e Sabina Maia, no projeto Humanização do nascimento no ISEA (Maternidade Instituto Saúde Elpídio de Almeida) , em Campina Grande, em maio de 2009.


[...]

domingo, 22 de abril de 2012

“Fomos projetadas para dar à luz”


Texto: Débora Rubin, de São Paulo |20 de abril de 2012
O número de cesarianas feitas entre as brasileiras e o parto como um momento sagrado da mulher são os temas que a inglesa Janet Balaskas veio tratar no Brasil
chamada

Uma das maiores autoridades mundiais sobre parto natural, a inglesa Janet Balaskas (foto) está no país para uma temporada de palestras e cursos divulgando seu conceito de “parto ativo”, no qual a gestante é a protagonista no nascimento de seu filho. Diretora do Active Birth Centre, em Londres, e autora de um livro sobre o tema, Janet veio ao Brasil para alertar sobre os perigos de o país ser o campeão de cesarianas do mundo. Na semana passada, ela fez apresentações e deu aulas no Rio de Janeiro. Nesta semana, em Curitiba, fez uma palestra aberta ao público sobre o assunto. Nesta entrevista, a britânica, que é mãe de quatro filhos e estuda o tema há mais de 30 anos, fala sobre a importância de cada mulher entender o parto como um momento único de sua vida e ainda sobre a necessidade de capacitar profissionais focados no parto humanizado.
O que é o Parto Ativo e quais são os benefícios?
A principal característica do Parto Ativo é que não restringimos os movimentos instintivos da mãe, como deixá-la confinada numa posição deitada. Ela pode seguir seus instintos para que seu trabalho de parto progrida melhor, para que possa se sentir mais confortável e também ajudar seu bebê a nascer. Os principais benefícios são o maior espaço na pélvis, contrações mais eficientes, melhor fluxo de oxigênio para o útero e para o bebê. O mais importante é que a mulher sente que está no controle. Ela tem uma consciência maior do poder de seu corpo e tem mais condições de se entregar à intensidade do trabalho sem drogas ou intervenções. Muitas mulheres vivenciam um parto ativo como uma experiência de êxtase, orgástica e sagrada, que elas se lembram para sempre. É isto que a natureza pretende.

Quando surgiu seu interesse por este assunto?
Foi quando eu estava grávida de meu primeiro filho. Eu acreditava que meu corpo instintivamente “sabia” como parir e que deveria haver outro modo que não fosse tornar-me paciente num hospital, deitada de costas. Foi quando comecei a procurar alternativas.

O Brasil é realmente o campeão mundial de cesáreas (52% dos partos)? Existe outro país com taxas similares?
Sim. De acordo com a pesquisa que fiz a partir dos relatórios da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o campeão. O país mais próximo é a China, com 46%. No Reino Unido, a taxa está em aproximadamente 24% – e já achamos muito alta. A OMS recomenda entre 10 e 15%. Muitas britânicas preferem o parto natural e 88% dos nossos hospitais oferecem, atualmente, centros para parto normal com ambiente aconchegante que lembra o lar da mulher. Estes são dirigidos por obstetrizes e usados apenas para o parto natural. Quem opta pelo parto domiciliar conta com duas especialistas em casa – e tem total suporte de seu hospital local caso precise ser transferida.

Quais são as diferenças entre o parto hospitalar e o parto domiciliar?
Geralmente, é mais fácil conseguir em casa o ambiente correto, com segurança e privacidade. Entretanto, isso também pode ser feito num hospital ou centro de parto normal, desde que exista a consciência sobre as reais necessidades da mãe. A mãe precisa ter a possibilidade de mergulhar fundo dentro de si mesma. É como uma meditação muito profunda. Ela precisa estar calma e relaxada para que o parto natural aconteça bem.

Quais são os riscos de um parto natural domiciliar?
Sólidas pesquisas mostram que, para mulheres saudáveis, com gestação de baixo risco e que desejam ter parto domiciliar, não há riscos adicionais. O parto domiciliar é seguro, desde que os critérios corretos sejam preenchidos e que a mulher tenha um profissional competente.

Qual a sua opinião sobre a explosão de cesarianas no Brasil?
Considero alarmante e precisa ser revertida. Perdemos muito, como indivíduos, famílias e como sociedade, se abandonamos a fisiologia natural do parto e passamos a considerá-lo meramente um evento médico. Este é o tema da minha palestra e de todos os cursos que ministrarei no Brasil. A sustentabilidade precisa começar com o plano milagroso da mãe natureza para o início da vida humana. Precisamos fazer perguntas do tipo: quais podem ser as consequências caso o parto natural seja extinto?

Por quê a cesariana é um problema?
A cesariana não é um problema quando há uma necessidade médica verdadeira. Neste caso, ela é a opção mais segura e salva vidas. Devemos ficar agradecidos por isto. Mas, quando não é necessária, e nem mesmo desejada, a mulher pode perder os benefícios do coquetel de hormônios do amor, que é único, e faz o parto acontecer fisicamente, criando fortes laços de amor e vínculo entre a mãe e o bebê. Esta é a mágica do parto natural – ele é governado por hormônios que atuam simultaneamente para contrair a musculatura e para facilitar esse vínculo. Não existe uma droga que faça isso. Além disso, uma cesariana com hora marcada pode ser precipitada para o bebê. Problemas respiratórios e necessidade de cuidado intensivo são mais comuns em bebês nascidos assim. Por ser uma cirurgia, há ainda riscos para a mãe e para o bebê (2 a 4 vezes mais chances de a mãe morrer na cesariana do que no parto natural). Outras complicações, como hemorragia ou infecção, também acontecem.

O que precisamos fazer para ter um parto hospitalar mais humanizado?
Creio que vocês precisam de mais obstetrizes, já que elas são as melhores profissionais para atender o parto normal. A doula não é treinada em obstetrícia e pode não ter o conhecimento para lidar com todas as situações. Treinar obstetrizes é uma prioridade. E é necessária a educação dos profissionais e pais sobre a fisiologia do nascimento. Também acredito que a criação de centros de parto normal de baixa tecnologia é um progresso. Hoje temos tantos destes locais no Reino Unido e eles são tão bons que muitas mulheres os preferem à rede particular. Penso que há um grande potencial para esta opção no Brasil nos hospitais públicos. As mulheres precisam ter o direito de escolher o melhor lugar para terem seus bebês. E, seja onde for, ter a ajuda de pessoas bem treinadas, da ciência e da tecnologia.

Como a mulher pode escolher o médico, ou outro profissional, para ajudar no parto natural?
É preciso alguém que entenda e respeite a fisiologia e tenha confiança em sua habilidade de conseguir fazer isso sozinha. Alguém com uma aura calma, que você gostaria de ter ao seu lado, e que você confie e com quem se sinta segura. De acordo com a Tália Gevaerd de Souza, diretora do Parto Ativo Brasil, as brasileiras podem fazer isso buscando informação nas redes de apoio (como a nossa), conversando com outras mães e fazendo milhares de perguntas aos profissionais que ela encontrar.

Você acha que o interesse pelo conceito do Parto Ativo está crescendo no Brasil?
Certamente. Pelo que sei, muitas mulheres no Brasil querem ter a oportunidade de se preparar para o parto natural e querem ser estimuladas pelos profissionais a fazer isto. Na verdade, existe uma corrente global para diminuir as taxas de cesariana. Assim como tenho esperanças de que seremos mais respeitosos com a mãe terra, de uma forma ecológica geral, e que aprenderemos a nos beneficiar da ciência e da tecnologia sem destruir nosso planeta, eu também acredito que vamos reconhecer, a cada dia mais, que a primeira ecologia começa no útero. Minha mensagem para as mulheres é que confiem na sabedoria de seus corpos. Vocês foram projetadas para dar à luz e não há nada a temer.

fonte:http://www.revistaherbarium.com.br/%E2%80%9Cfomos-projetadas-para-dar-a-luz%E2%80%9D/

[...]

sábado, 21 de abril de 2012

Método 'Canguru' ajuda prematuros a se desenvolverem, no ES

                      Utilizando o método, bebês tem alta mais cedo e amamentam mais. 

                     Hospital Infantil, em Vila Velha, já possui enfermaria especializada. 

Quando a dona de casa Juliana Pereira precisou passar por um parto prematuro, não imaginava que o filho nasceria tão frágil, pesando apenas 1,9 quilos. Ainda no hospital ela foi convidada a testar o Método "Canguru", que é quando o bebê fica preso ao corpo da mãe em uma espécie de bolsa. A ideia foi adotada pelo Hospital Infantil e Maternidade de Vila Velha, na Grande Vitória, que com uma enfermaria especializada já conseguiu resultados positivos com quase 100 crianças saudáveis.



“Eu tirava ele da bolsa só para tomar banho. Fique cinco dias assim e ele desenvolveu bastante, ganhou peso muito rápido”, contou a mãe.

A dona de casa Samara Ferreira está experimentando o método há uma semana e já percebe o desenvolvimento da filha Juliana. “Ela já ganhou peso, está com quase 1,8 quilos. Hoje já senti até que ela já ganhou mais”, disse.

Na posição canguru, em que o bebê fica na vertical, ele tem menos refluxo, menos risco de sufocamento e de parada da respiração durante o sono. De acordo com a pediatra e coordenadora do método no Hospital Infantil, Rosa Albuquerque, o contato com a mãe ajuda a manter a temperatura do corpo e facilita o desenvolvimento neurológico do bebê.

“Esses bebês tem alta mais precoce, menos infecção, amamentam mais. As vantagens são inúmeras quando se trata da evolução dessas crianças no futuro com a ajuda desse método”, explicou a pediatra.




Fonte:http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2012/04/metodo-canguru-ajuda-prematuros-se-desenvolverem-no-es.html
[...]

quinta-feira, 1 de março de 2012

Video Parto Domiciliar

Parto da Sabrina, Nascimento do Lucas - 29/11/2011

Video: Parto domiciliar assistido

Clique para assistir!


www.gruposamauma.com.br
www.alemdolhar.com.br 


[...]

O Renascimento do Parto reforça a importância do parto normal

CRESCER

Documentário, que estreia em 2012, traz especialistas e mães defendendo a humanização do nascimento do bebê

O Brasil é o campeão mundial no número de cesarianas. Essa situação, considerada alarmante pelos médicos, gera sempre aquela polêmica do quanto o comodismo pode estar por trás do parto agendado, colocando mãe e filho em risco. No documentário, mães, médicos e especialistas, de diferentes áreas, expõem suas opiniões e defendem a valorização do parto natural. O cientista Michel Odent e o ator Márcio Garcia participam do documentário, previsto para estrear em março de 2012, aqui no Brasil. 
[...]

Workshop - "Desbloqueando as emoções para BEM-PARIR"

[...]

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Pesquisa da Fiocruz investiga aumento de cesarianas no país

12/02/2012 - 10h40
Paula Laboissière
Repórter da Agência Brasil
Brasília – A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) vai entrevistar 24 mil mulheres que tiveram bebê recentemente (pós-parto) para descobrir o porquê da preferência de muitas brasileiras pela cesariana. Dados do Ministério da Saúde indicam que, em 2010, 52% dos partos no país foram cirúrgicos. Na rede privada, o índice chega a 82% e na rede pública, a 37%.
A pesquisa vai verificar com a mãe qual foi a indicação médica para o tipo de parto, onde foi feito o pré-natal e se o profissional que acompanhou a gestação foi o mesmo que realizou o parto. No caso de mulheres que passaram por cesariana, será perguntado o motivo da escolha.
Doula há cinco anos, Rachel Bessa oferece apoio a mulheres grávidas para alcançar o bem-estar físico e emocional durante a gestação e o parto. Ela explicou que o parto normal é um ato de respeito ao próprio corpo feminino, enquanto a cesariana exige um procedimento cirúrgico com riscos, como a hemorragia interna.
Outra desvantagem, segundo Rachel, é que, após a cesariana, a mãe não pode ficar junto com a criança imediatamente porque precisa se recuperar da cirurgia – mesmo que o bebê necessite desse primeiro contato já que, por meio dessa aproximação, é possível, por exemplo, controlar a temperatura corporal.
“Além disso, durante o parto normal, acontece uma compressão natural no peito da criança. Com isso, todo o resquício de líquido, próprio da gestação e que pode estar dentro da criança, é limpo. É um processo natural. No caso da cesárea, é usada uma sonda para a retirada desses líquidos.”
Lais Ignácio, 25 anos, é nutricionista e está grávida do primeiro filho. “Pretendo ter parto normal, mas vai depender da situação na hora”, disse. Apesar do receio da dor, ela explicou que prefere parto normal porque a recuperação é mais simples. “O corpo feminino foi preparado para isso”, completou.
Catiana Ferreira, 29 anos, trabalhadora doméstica, compartilha o sentimento de ansiedade. Grávida do primeiro filho e já no oitavo mês de gestação, ela disse que ainda não recebeu uma indicação médica sobre que tipo de parto optar. “Quero parto normal, porque é mais rápido e recupera logo. Assim, não necessito de muito repouso já que preciso voltar a trabalhar.”
Já Maria de Fátima Oliveira, 36 anos, fará uma cesariana, mesmo preferindo o parto normal. A empregada doméstica está grávida do primeiro filho, mas tem um mioma que pode complicar o procedimento. “Se não fosse esse problema, faria o [parto] normal, porque a recuperação é mais rápida e mais saudável”, disse.
De acordo com o Ministério da Saúde, as chamadas cesáreas eletivas são as que mais representam risco. Nesse tipo de procedimento, a mãe agenda o dia e o bebê nasce sem que a mulher entre em trabalho de parto, o que pode causar problemas de saúde, sobretudo respiratórios, na criança.
[...]

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Programa EPTV Comunidade

[...]

Respira, bebê

Nascer de parto natural pode ser bem melhor para o bebê, mesmo antes do tempo

Um novo estudo mostrou que até mesmo os bebês nascidos prematuramente são beneficiados pelo parto natural, já que a cesárea pode interferir no desenvolvimento do pulmão dos pequenos.

Os pesquisadores descobriram que os bebês pequenos, nascidos através da cesárea e antes da 34ª semana de gestação, tinham mais chances de desenvolverem síndrome de sofrimento respiratório do que aqueles nascidos de parto natural no mesmo período gestacional.

A pesquisa, chamada de Métodos de Nascimento e Resultados Neonatais para bebês prematuros ou pequenos para a idade gestacional, foi comandada pela escola de medicina Johns Hopkins, dos Estados Unidos.



Foram analisados 2.560 bebê que estavam abaixo do tamanho esperado durante o desenvolvimento gestacional e que nasceram prematuramente. Cesáreas são comuns para bebês diagnosticados com restrições de nascimento intrauterinas.

Os pesquisadores mostraram que aqueles nascidos através cesárea antes da 34ª semana de gestação têm 30% mais chances de desenvolverem a síndrome de sofrimento respiratório do que aqueles nascidos de parto natural nas mesmas condições.

Partos prematuros, realizados antes da 37ª semana de gravidez, estão entre as principais causas de morte entre os recém-nascidos, e um milhão de crianças morrem em todo mundo a cada ano por nascer antes do tempo.

Os bebês que sobrevivem sofrem com os problemas de saúde relacionados ao parto ao longo da vida, como complicações respiratórias, atrasos mentais, dificuldades de aprendizado, entre outros.

A March of Dimes defende que, se a gestação é saudável e sem complicações que exijam um parto prematuro, a mãe deve entrar em trabalho de parto naturalmente, ou esperar até, pelo menos, até a 39ª semana de gravidez. Muitos dos órgãos dos bebês, incluindo o cérebro e os pulmões, não estão completamente desenvolvidos até este período gestacional.

Observação: Lembre-se que a gestação pode chegar até 42 semanas!!


[...]

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Pesquisa: Parto Normal ou Cesárea?

Pesquisa vai ouvir brasileiras sobre preferência por cesária no parto


O estudo foi encomendado pelo Ministério da Saúde e ouvirá 24 mil mulheres que tiveram filhos recentemente. Na rede privada brasileira, 82% dos partos são cesarianas.

Pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde vai ouvir 24 mil brasileiras, que tiveram filhos recentemente, para saber por que metade delas opta pela cesariana em vez de parto normal. O estudo será feito pela Fundação Oswaldo Cruz.



A Organização Mundial de Saúde recomenda que a taxa de cesariana não ultrapasse 15%, mas no Brasil a realidade é praticamente inversa. Na rede pública, esse índice é de 37% e na rede privada, é ainda maior: 82%.

Para a medicina, tanto o parto normal quanto a cesariana oferecem riscos, mas, no segundo a possibilidade de infecção, hemorragia ou acidentes anestésicos é maior.

De acordo com o presidente da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia de Brasília, a cesariana é recomendada nos seguintes casos:

- Quando houver complicações no parto normal.
- Quando a mãe tem uma doença crônica.
- No caso de parto de trigêmeos.
- Quando a mulher pede para que seja assim.

Muitas mulheres têm medo da dor do parto normal, mas ele pode ser feito sem dor. Segundo o Ministério da Saúde, é um direito da mulher ter a assistência de um anestesista.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Ginecologia, Alberto Zaconeta, as cesarianas só irão diminuir quando as mulheres e os hospitais mudarem a mentalidade. “Para você ter parto normal, cada hospital privado teria que ter uma equipe com enfermeira e obstetra, não para atender as emergências, mas para acompanhar esses pacientes.


Assista o Video!



Fonte:http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2012/02/pesquisa-vai-ouvir-brasileiras-sobre-preferencia-por-cesaria-no-parto.html
[...]

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Protetores de Berço - Cuidados

Especialistas recomendam berços sem almofadas e bichos de pelúcia


Nos EUA, em sete anos, 32 bebês morreram sufocados ou estrangulados pelos laços que amarram os protetores dos berços.

A assistente administrativa Alzira de Campos Cohen é do interior de São Paulo e mora em Nova York. Ela se surpreendeu quando foi comprar um novo protetor de berço para o quarto do filho Brian. “Falaram que por segurança esse produto não vai ter mais nessa loja”, diz. 
A loja seguiu a recomendação da Academia Americana de Pediatria para bebês com até 6 meses de idade. Há muito tempo, médicos americanos vêm estudando a morte inesperada de bebês em seus berços. Ela pode ser provocada por asfixia, sufocação e trauma. Pediatras analisaram milhares de casos de acidentes e mortes de bebês nos Estados Unidos. Em sete anos, 32 bebês morreram sufocados ou estrangulados pelos laços que amarram os protetores. 

Em Washington, a pediatra Rachel Moon participou da pesquisa. Ela diz que já teve que lidar com casos difíceis em que perdeu pacientes sufocados. Por isso, é firme em recomendar que os pais não usem o protetor de berço. Rachel recomenda ainda que os bebês durmam no berço instalado no quarto dos pais durante os seis primeiros meses. 

O berço ideal indicado pela Academia Americana de Pediatria não é muito bonitinho, mas o importante é a segurança. Nada de protetores de berço, almofadas, travesseiros, muito menos bichos de pelúcia. O colchão tem que ser firme, ocupando todo o espaço interno no berço, sem vãos nas laterais. E ele tem que ficar reto, e não inclinado. 

Para que ninguém fique com dúvidas, o Fantástico contou com a colaboração da bebê Bruna para ajudar a esclarecer as normas de segurança. A mãe está cheia de perguntas. 

“Eu tinha um móbile até há pouco tempo, que a Bruna fez de pêndulo. É correto manter ou tenho que retirar?”, pergunta a empresária Gisele Marques. 

Quem explica é a diretora do Departamento de Segurança da Criança da Sociedade Brasileira de Pediatria, Renata Waksman. “Tem que retirar o quanto antes. Porque a criança vai acabar se pendurando e pode sofrer machucados e lesões.” 

Gisele quer saber sobre a grade do berço. 

“Uma grade que não esteja firme e que a criança consiga sacudir é extremamente perigosa e não representa segurança nenhuma”, alerta a especialista. 

“Mantemos ou retiramos o protetor?”, pergunta Gisele. 

"O ideal, pensando na segurança, pensando nos movimentos da Bruna, é remover o protetor.” 

Mas a função do protetor não é exatamente evitar que o bebê se machuque? “Mesmo que dê leves batidinhas, seja nos bracinhos, nas perninhas, ou até na cabecinha, não vão representar risco. Por outro lado, um protetor mal colocado que possa servir de escada acaba representando um risco bem maior”, explica. 

Outra mãe, do Rio de Janeiro, gosta de deixar o berço bem recheado de bichinhos e travesseiros. 

“O ideal é que o berço não tenha bichinhos de pelúcia e travesseirinho dentro dele”, reforça a pediatra Adriana Proença Barros. “O ideal é que o bercinho não tenha nada.” 

Adriana tem mais algumas dicas de segurança para os bebês com menos de 1 ano, mas que já sentam e se levantam no berço. 

“A altura deve medir na, vertical, no mínimo 60 centímetros, para que a criança, quando ficar em pé, não tenha risco de cair do berço. A distância entre uma trave e outra deve ser menor do que seis centímetros, para não passar a perninha e acabar se machucando.” 

A pequena Giulia não gosta nem um pouco quando é colocada no bercinho vazio. Só se acalma quando ganha a centopeia. 

“Quanto mais estimulação visual, quanto mais cor você coloca na caminha do bebê, mais agitado ele fica. E mais dificuldade para dormir”, acrescenta a pediatra. 

Giulia reclama, mas agora está em segurança.

Clique no vídeo para assistir



Fonte:http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1677729-15605,00.html
[...]

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Recuperação e Redução Abdominal Pós-Parto

O retorno às condições corporais de antes da gestação pode demorar até 6 meses após o parto. Mesmo realizando o tratamento, é importante manter uma alimentação saudável sob a orientação de um nutricionista. Assim que houver liberação médica, saia com seu bebê para caminhar ou faça exercícios supervisionados.

Quais são as principais alterações que podem ocorrer nesse período?
Edema (inchaço), fraqueza muscular, flacidez, diástase do reto abdominal.

Como são as sessões?
Inicialmente é realizada uma entrevista precedida por uma avaliação fisioterapêutica. As sessões são realizadas uma ou mais vezes por semanas (de acordo com avaliação), com duração de 60 minutos.

Quais são os recursos utilizados?
Drenagem Linfática Manual, massagem modeladora, corrente Russa, ultra-som e produtos específicos. Todos os produtos utilizados são da marca Adcos.


Quais são os benefícios?
- Estimula a circulação e o metabolismo;
- Reestabelecimento da atividade intestinal;
- Melhora da elasticidade, textura e suavidade da pele;
- Redução do edema;
- Tonificação muscular;
- Melhora da auto-estima.

Quando procurar?
- Após completar 30 dias de pós parto;
- Quando tiver liberação do médico responsável;
- Quando achar necessário realizar cuidados com o corpo;
- Presença de edema.
[...]
 

©2009 Espaço Materna | by TNB